UNITA defende levantamento da cerca Sanitária


agosto 27, 2020

A UNITA defendeu ontem o levantamento da cerca sanitária na província de Luanda, para aliviar os danos que têm vindo a criar na economia do país e das famílias.

O presidente do grupo parlamentar do Galo Negro, Liberty Chiyaka, em conferência de imprensa defendeu que seja feito um diálogo com Partido maioritário no parlamento para que na próxima legislatura seja discutido e aprovado o pacote legislativo autárquico. E realçou ainda que seja levantada a cerca sanitária em Luanda, porque na visão da UNITA, esta situação está a provocar prejuízos à economia do país.

Por sua vez, o secretário provincial da UNITA em Luanda, Manuel Ekuikui, que falava no encontro com a governadora de Luanda, Joana Lina, declarou: “Entendemos que já não faz sentido continuarmos sobe cerca sanitária e termos muita gente a perder emprego, quando já temos casos positivos em quase todas as províncias do país”.

Acrescentou que a cerca sanitária está a criar muitos constrangimentos à população de baixa renda e até de alta renda, porque os empresários estão fechar as empresas por não haver circulação em Luanda. Assim como manifestou-se também preocupado com a actuação dos grupos de vigilância, vulgo apitos, criados no distrito urbano do Sambizanga que, a seu ver, agem por excesso e retiram a competência da Polícia Nacional na prevenção e no combate ao crime.

O Deputado felicitou, entretanto, a governadora pela aproximação com as lideranças políticas na província de Luanda, a quem desejou “muita força” na sua missão de dirigir os destinos desta província, com aproximadamente seis milhões de habitantes. “Compreendemos que os recursos são poucos, mas quando existe vontade é possível fazer melhor para o nosso povo. Enquanto partidários temos a responsabilidade de ajudar a governadora contribuindo com ideias eficazes para melhorar a gestão de Luanda”, expressou.

Já o representante do MPLA, Victor Nataniel Narciso, considerou frutífero o encontro com a governadora Joana Lina. E declarou que a governante manifestou disponibilidade em ouvir as preocupações das pessoas. “Está aberta às críticas, com ajuda de todos é possível fazer alguma coisa para Luanda”.

Reconhece que Luanda não é uma praça fácil, “tem muitos problemas, agora agravados com a pandemia da covid-19 e nós, MPLA, estamos de braços dados com a governadora para podermos tornar Luanda uma praça boa para se viver”.

Em relação aos grupos de vigilância criados no distrito urbano do Sambizanga, Nataniel Narciso informou que a governadora tomou boa nota e prometeu solucionar o problema. “Ela ouviu falar que há excessos na actuação desses integrantes e a solução seria adequar essa necessidade ao funcionamento das brigadas de vigilância comunitária, que são completamente diferentes”, observou.

Quanto ao levantamento da cerca sanitária em Luanda, que está a dificultar principalmente e área económica e social, o representante do MPLA pede ponderação na questão. Disse igualmente haver grande “pressão” das igrejas para que retomem as suas actividades, “mas isso tudo tem que ser bem visto e ponderado para que não se descambe numa situação que temos estado a ver noutros países ao tentar-se abrir-se flancos .

Disse que o MPLA está a favor do retorno das aulas, mas desde que sejam criadas todas as condições de biossegurança.

Por outro lado, o secretário provincial de Luanda do PRS, Novais Samungole, solicitou à melhoria das condições de segurança na cidade de Luanda, que se vê, nos últimos tempos, a braços com altos índices criminais.

Carlos Muondo, da FNLA, por seu turno, solicitou mais atenção à população de Icolo e Bengo que, a seu ver, está carente de quase de tudo.

Comentários(0)

Log in to comment